quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Preservando a história do Estado de São Paulo



O Arquivo Público do Estado de São Paulo foi criado em 1721. Atualmente vinculado à Casa Civil, pertencia à Secretaria de Cultura até julho de 2008 . Sua função é recolher, tratar e disponibilizar ao público toda documentação de caráter histórico produzido pelo Poder Executivo Paulista.

Entre 2007 e 2008, o Arquivo atendeu cerca de 25 mil pessoas. Seu acervo mantém 22 km lineares de documentação textual, um acervo iconográfico com 1,5 milhão de imagens divididas em fotografias, negativos e ilustrações, uma biblioteca com 39 mil volumes e uma hemeroteca com 1,2 mil títulos de jornais em papel e microfilme.

O contato com o material do acervo é permitido no salão de consultas. A diferença está no atendimento a grupos, feito em local separado escolhido de acordo com o número de pessoas. O salão dispõe de mesas individuais, sala com 13 leitoras de microfilme e cinco mesas próximas a tomadas, que possibilitam o uso de notebooks, além de três terminais de consulta com banco de dados.

Entre os freqüentadores do Arquivo, pesquisadores universitários têm predileção por documentos manuscritos, do período colonial e do Império. Já os estudantes de ensino médio utilizam com mais freqüência o acervo de jornais e a hemeroteca, em busca de fatos cotidianos do passado.

No site do Arquivo Público (www.arquivoestado.sp.gov.br), o interessado encontra um guia que dá uma visão geral da documentação arquivada na instituição. Há ainda uma boa parte do acervo disponível para consulta on-line. Nessa área, o conteúdo mais procurado é o do jornal Última Hora, digitalizado em 2008.

O Arquivo busca realizar parcerias com diversas instituições para a preservação e difusão de seu acervo. Dois projetos são baseados em documentos do século XIX: Memórias Paulistanas: preservação e disponibilização dos ofícios diversos de São Paulo (1822-1919), com financiamento do Ministério da Justiça, e Presença do Imigrante na Memória Nacional: Preservação e Divulgação do Conjunto Documental dos Núcleos Coloniais da Região de Campinas (1886-1922), em parceria com o BNDES.

Em 2009, foi lançado o projeto Memórias Reveladas - Centro de Referência das Lutas Políticas, 1964-1985, uma iniciativa da Casa Civil da Presidência da República, com a coordenação do Arquivo Nacional. O projeto irá catalogar acervos e colocar à disposição do público, pela internet, os registros documentais sobre as lutas políticas no Brasil durante a ditadura militar. Nesta fase do projeto está prevista a microfilmagem de 2 mil pastas com dossiês do acervo do DEOPS-SP. Com a Cinemateca Brasileira, por sua vez, foi firmado um termo de cooperação técnica que prevê a microfilmagem e digitalização de 140 mil páginas de roteiros da TV Tupi.

Desde 2000, o Arquivo Público atua também como órgão técnico consultivo do Ministério Público na defesa do patrimônio arquivístico do Estado de São Paulo, inclusive das administrações municipais. Outro importante trabalho vem sendo desenvolvido junto aos municípios paulistas com o objetivo de estimular e orientar a criação de Arquivos Públicos Municipais.

Fonte: http://www.saopaulo.sp.gov.br/trabalhandoporvoce/casa-civil-arquivo

Nenhum comentário:

Postar um comentário